• Vitamina D, para que serve X Exercícios Físicos

    Vitamina D, para que serve X Exercícios Físicos

    vitamina D x Exercicios Fisicos

    Cada vez mais ouvimos falar sobre a vitamina D (colecalciferol), mas primeiramente devemos saber que não se trata de uma vitamina e sim de um Pré-hormônio.

    A vitamina D pode ser encontrada em alimentos como atum, salmão, fígado de frango, gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau e champignons, mas representa apenas de 10 a 20% da nossa necessidade, a maior parte 80 a 90%, são provenientes da Radiação UVB do Sol.

    O colesterol, presente no nosso organismo é a matéria-prima para a produção da vitamina D. Quando os raios solares atingem nossa pele, o colesterol que está nela é transformado em vitamina D pró-ativa, mas ela ainda não funciona direito.

    Essa vitamina pró-ativa vai até o fígado, sendo transformada em calcidiol, sendo que sua maioria é armazenada no tecido gorduroso para uso posterior e o restante vai pela corrente sanguínea até os rins e é lá que ela é transformada em sua forma ativa D3.

    Assim que ela se torna ativa ela atua no intestino, intensificando a absorção do cálcio ingerido. Depois no rim, ela evita que o cálcio seja perdido pela urina. Como o organismo precisa manter os níveis de cálcio adequados na corrente sanguínea, já que ele participa do processo de contração muscular, se baixar os níveis de cálcio no sangue, o organismo retirará dos ossos, ou seja, mesmo que a ingestão de cálcio seja suficiente, sem vitamina D ele não é absorvido no intestino e os rins ainda o eliminam pela urina.

    A vitamina D3 é um hormônio esteroidal, ou seja, ligado à porção genética das células e por essa razão participa de importantes funções, atuando no sistema imune, coração, cérebro e na secreção de insulina pelo pâncreas.

    Sabe-se que uma exposição de 20 minutos ao sol, com pelo menos 60% exposto e sem protetor solar, no horário em que ele produza uma sombra equivalente ao tamanho do nosso corpo, ou seja, entre 11hs e 16hs, é produzido 10.000 UI de vitamina D, que é o suficiente para mantermos os níveis ótimos de calcidiol entre 35 e 65ng/ml no sangue. Para indivíduos com pele escura, esse tempo de exposição sobe para 1 hora, devido à melanina impedir a passagem da radiação pela pele.

    Vale ressaltar que apenas 20 minutos de exposição ao sol, não são suficientes para o desenvolvimento do câncer de pele e que a partir disto, utilize-se a proteção.

    alimentos que contem vitamina D

    Alguns sinais podem ser indicativos de déficit de vitamina D e o médico poderá solicitar um exame de dosagem do calcidiol no sangue, para confirmar a deficiência da vitamina D no organismo:

    1. Gripe – Estudo publicado no Jornal de Cambridge, descobriu-se que a deficiência da vitamina D predispõe as crianças a doenças respiratórias e que a intervenção com a vitamina D reduz essas incidências;
    2. Fraqueza Muscular – Segundo Michael F. Holick, para os músculos esqueléticos funcionarem adequadamente os receptores da Vitamina D tem que ser suportados por ela, além de toda a alteração na absorção do Cálcio que estando em baixa, deixa de poder ser utilizado nos músculos;
    3. Psoríase – por ser autoimune e a Vitamina D atuar num receptor genético, pessoas tratadas com vitamina D tem melhora nas lesões cutâneas;
    4. Doenças Cardiovasculares – Pesquisa em Harvard encontrou que mulheres com níveis abaixo de 17ng/ml, tiveram aumento de 67% da hipertensão arterial;
    5. Câncer – Elevada ingestão de vitamina D levou a uma redução de 75% do surgimento geral de câncer e 50% de total de câncer em casos de tumores entre os que já possuíam a doença;
    6. Esquizofrenia e Depressão – Descobriu-se que manter os níveis em mulheres grávidas e durante a infância era necessária para satisfazer o receptor de vitamina D em todo cérebro para seu desenvolvimento e manutenção da função mental na vida adulta.
    7. Doença Renal Crônica – De acordo com Holick, pacientes com doenças renais crônicas, em especial, dialíticos, precisam da D3 para apoiar o metabolismo do cálcio e regular os níveis do paratormônio.
    8. Asma – Pesquisas realizadas no Japão revelou que os ataques de asma em crianças em idade escolar reduziram significativamente nos que tomaram 1200 UI dia de Vitamina D.
    9. Artrite Reumatóide – Pacientes tratados com altas doses de vitamina D têm redução significativa do inchaço e das dores articulares.
    10. Raquitismo, osteomalácea e osteoporose – alterações ocasionadas pela baixa absorção do cálcio, perda dele pela urina, ou pela falta da ligação da vitamina D3 com o cálcio para entrarem na matriz óssea e recomporem sua estrutura;

    Ficou claro o quanto a vitamina D é importante para o bom funcionamento do corpo como um todo, mas quando pensamos em exercícios físicos, a fragilidade óssea, o cansaço, o desânimo e a fraqueza muscular, já são suficientes para desestimular a prática de qualquer modalidade, diminuir o rendimento durante os exercícios e até comprometer a obtenção dos resultados.

    Sabendo de tudo isso e que o “remédio” para todas essas enfermidades e limitações é gratuita e está disponível todos os dias do ano, onde apenas precisamos nos dedicar 20 minutos a ela, ficou fácil cuidar da sua saúde.  Saia do sedentarismo, escolha uma modalidade esportiva que mais se adeque às suas necessidades físicas e dê uma turbinada em sua vida!

     

    Vanessa Moraes – Império Pilates – Junho 2017

     

2Comentários

deixe uma resposta

Cancelar resposta